bookmark bookmark  

We`ll always have Paris…

Postado por Glenda DiMuro em November - 2 - 2013 6 Comments

Ando com saudades de Paris…

pauloramalho-0212-4763

32

35

2012-07-09 16.07.15

2012-07-13 19.25.14

20120713_153424

glendadimuro-0810-0009

pauloramalho-0212-4514

glendadimuro-0810-0106

glendadimuro-0810-0238

glendadimuro-0810-0393

glendadimuro-0810-0426

glendadimuro-0810-0485

glendadimuro-0810-0586

glendadimuro-0810-0493

glendadimuro-0810-0742

glendadimuro-0810-0767

glendadimuro-0810-0811

glendadimuro-0810-0899

glendadimuro-0810-0963

glendadimuro-0810-0967

glendadimuro-0810-1009

glendadimuro-0810-1011

glendadimuro-0810-9989

pauloramalho-0112-3555

pauloramalho-0112-3557

pauloramalho-0112-3562

pauloramalho-0112-3715

pauloramalho-0112-3974

2012-07-08 19.34.21

2012-07-08 20.04.03

pauloramalho-0112-3985

pauloramalho-0212-4577

22

pauloramalho-0112-3880

pauloramalho-0112-3796

Este é um pot-pourri (como não ser) de fotos das vezes que já visitei Paris (não são as “melhores” fotos, mas são as que eu mais gosto). Verão de 1998 (faltam fotos), primavera de 2007,  outono de 2010, inverno e verão de 2012. Paris é a minha preferida e acho que sempre será… não vejo a hora de voltar.

6 Comments

Máster na Espanha: ainda dá tempo!

Postado por Glenda DiMuro em August - 27 - 2013 1 Comment

A grande maioria das pessoas que me escrevem pedem ajuda sobre «estudar na Espanha». Então aproveito este espaço e deixo aqui a propaganda melhor dica de todas para quem quer fazer um máster ainda este ano em Sevilla. Gente formada em arquitetura, ciências ambientais, economia, geografia, antropologia, sociologia, direito, trabalho social, enfim, qualquer disciplina que se interesse pela Produção e Gestão Social do Hábitat. É um máster interdisciplinar, dirigido pelo meu diretor de tese, do qual eu faço parte do grupo docente. Ao contrário de muito máster por ai, não te vai render somente o título, pode escrever o que estou te dizendo.

As inscrições abrem agora em setembro e o máster só rola se tiver um número mínimo de alunos.

Mais informações aqui
Página oficial do Máster

 

1 Comment

Te animas a criar um grupo de consumo?

Postado por Glenda DiMuro em June - 24 - 2013 3 Comments

(Sei que o assunto do momento são as manifestações no Brasil, mas confesso que já estou até tonta com tanta discussão via Facebook – que se é com bandeira ou se é sem bandeira de partido, se são vândalos ou se sem violência não leva a nada, se usar camiseta branca ou camiseta de arco-íris, se é pela copa do mundo, pelos 0,20, pelos Guarani-Kaiowá ou por hospitais padrão «Fenadoce»… Como me disse uma amiga, “tá dose”. Cada um diz que protesta por uma coisa diferente, numa expressão do individualismo que só reflete a própria sociedade desorganizada. Mas vamos lá, que seja ao menos um processo de politização em massa da sociedade, que é disso que estamos precisando. E da criação de projetos coletivos – ou de apropriação de existentes – e da luta para alcançá-los)

gazpacho rojo No post anterior eu queria contar que participava de um grupo de consumo, mas acabei enrolando tanto que não consegui apresentar para vocês o Gazpacho Rojo.

Gazpacho Rojo é “um coletivo autogerido, de ação local, com um enfoque anticapitalista, que promove outras formas de consumir e de se relacionar com o meio, apostando pela justiça socioecológica e pela soberania alimentaria”. Ou seja, é um grupo de pessoas que se reúnem basicamente para consumir, mas não consumir de qualquer maneira. E não somente para consumir…

O coletivo, que se formou em 2009, se organiza principalmente entorno ao consumo de verduras e hortaliças. Estes alimentos proveem de uma horta localizada a mais ou menos 10km do centro de Sevilla, em uma zona periurbana com muita tradição agrícola, mas também com fortes tensões imobiliárias devido a tendência de crescimento da cidade (com a crise, todo este processo de especulação com os terrenos agrícolas próximo à zona urbana foram interrompidos… veremos até quando).

«Nossa horta», na realidade é de propriedade de Julián y Mari, que já faz alguns anos embarcaram em um lindo projeto proposto por uma associação com enfoque meio ambiental chamada «El Enjabre sin Reina» (O Enxame sem Rainha). Julián fazia o perfil do típico pequeno agricultor acostumado a viver sob a pressão dos mercados, ou seja, trabalhava muito e ganhava pouco. Em 2007, o pessoal do Enjambre conheceu a sua horta, eles ficaram amigos e logo lhe fizeram uma proposta: que tal começar uma transição do manejo da horta a ecológico (orgânico, como chamam no Brasil)?

julian+mari

 

Tenho certeza de que quando Julián aceitou a ideia louca de um bando de hippies nem imaginava a transformação que teria na sua vida… Tudo começou com uma mudança completa no sistema de distribuição dos produtos. Nada de intermediários, nada de acordar as 4 da manhã (depois de trabalhar 10 horas de sol a sol) para levar os melhores produtos ao MercaSevilla (centro de distribuição, onde os supermercados vão comprar os produtos que logo venderão pelo quíntuplo do preço) sem nenhuma folhinha picada, para depois voltar para casa com aquela sensação de que a vida no campo é dura (isso é) e não vale a pena. O Enjambre mexeu seus pauzinhos e depois de um boca a boca, não demorou muito para se espalhar a notícia que na zona norte de Sevilla havia um produtor que estava começando um processo de transição ao manejo orgânico e que precisava de apoio. Como existe nesse mundo mais gente interessada em além de comer bem, promover melhorias ao meio ambiente e também garantir condições dignas àquelas pessoas que nos alimentam,  do que imaginamos,  logo havia uma lista de espera de interessadas em comprar os produtos de Julián.

E o melhor de tudo, o pessoal ia até a horta buscar suas cestas. E tem mais, não importava a aparência dos alimentos (fundamental quando são vendidos aos grandes supermercados), mas sim o seu sabor e, principalmente, saber que ali não se escondem nenhum tipo de agrotóxico. Porque afinal de contas, os novos consumidores não comiam com os olhos.

O sistema foi evoluindo. Com o tempo os consumidores foram assumindo novos compromissos e hoje em dia, tudo funciona por meio de grupos de consumo que assinam um acordo com Julian e com o Enjambre de consumir X cestas por semana/ano, e pagar por adiantado todos os meses. Isso significa que a equipe «horta» tem a obrigação de fornecer toda a semana 12 cestas a Gazpacho (num total de 50, que se repartem a outros grupos de consumo) com mais ou menos 7 variedades de produtos de temporada (não, a gente não escolhe o que vem na cesta, é o que tem disponível naquela semana) sem nadinha de agrotóxicos. Em contrapartida, pagamos por adiantado e nos revezamos para toda santa terça-feira ir buscar as cestas na horta, e logo distribuímos num ponto de encontro no centro de Sevilla.

Parece complicado, mas não é. Gazpacho Rojo está formado por 12 grupos (equivalente a 12 cestas) e normalmente cada cesta é dividida por duas famílias. Por tanto, cada grupo é composto, no mínimo, por 2 responsáveis (algumas cestas são divididas entre 3). Cada grupo se compromete em ir à horta durante todas as terças-feiras de um determinado mês do ano. Durante todos os demais, somente tem que ir buscar sua cesta num local muito central de Sevilla. Ao total somos mais de 30 pessoas que nos beneficiamos desse projeto, e nos organizamos muito bem. Além dos encontros na hora do «reparto» (e da cervejinha de depois), uma vez ao mês fazemos uma assembleia onde tratamos sobre assuntos vários, não somente relacionados com a cesta/horta, mas também com a compra de outros produtos, cuidamos na nossa «formação» (chamamos gente ou aproveitamos o nosso próprio capital para que nos deem palestras sobre a temática em questão), planejamos a participação e o apoio em outros eventos relacionados, enfim, sempre estamos bastante ocupados com a «causa».

reparto-gazpacho-rojo1 reparto-gazpacho-rojo21
Uma vez a cada 6 meses também nos reunimos na horta para uma assembleia que se realiza com a presença de Julian, Mari, o pessoal do Enjambre e todos os representantes dos outros grupos de consumo. Ali recebemos notícias de como anda a nossa horta, os problemas enfrentados, os superados… Também nos mostram as contas e avaliamos se o preço que estamos pagando garante um salário digno a todas as pessoas que ali deixam seu suor. Nosso último desafio está sendo participar na própria planificação dos cultivos, escolhendo o que queremos comer na próxima temporada dentro das possibilidades que a terra nos oferece.

Enfim, contei aqui um pouquinho do que é participar de um grupo de consumo. Óbvio que é bem mais «trabalhoso» do que estender a mãozinha numa prateleira do supermercado e escolher uma salada em um saco de plástico que já vem limpinha, em qualquer época do ano. Isso é outra coisa, é entender como funciona todo o processo e todo o caminho que percorre um alimento até chegar a sua boca (e todas as barbaridades que acontecem no trajeto).

Não me considero uma pessoa paranoica. Pouco a pouco estou mudando meus hábitos de consumo e comecei por algo tão básico como a alimentação. É claro que ainda não consegui me desprender definitivamente dos supermercados, até mesmo porque os canais alternativos de comercialização estão engatinhando (no bom caminho, mas ainda longe de favorecer a completa soberania) e é difícil (muito difícil) abdicar de toda uma vida de consumo, digamos, pouco responsável. Não sou vegetariana (mas com certeza como muito menos carne que antes), mas também não vivo sem um cafezinho pela manhã, ou sem um chocolate depois do almoço.

Já faz tempo que perdemos nossa relação com os alimentos. Fiquei a-pa-vo-ra-da quando assisti este documentário e vi que, entre outras barbaridades, as crianças não sabiam identificar o que era uma batata ou uma cenoura (batata para elas era Ruffles). Definitivamente não quero viver num mundo assim e já comecei a fazer a minha parte. O caminho é longo, mas é muito bonito.

Aqui na Europa a associação entre consumidores e produtores não é novidade (veja o caso francês da AMAP). Parece ser que no Brasil também tem muita gente que já se deu conta que o futuro é por ai. E então? Te animas a criar um grupo de consumo?

Mais informação sobre o Gazpacho Rojo!

Gostou do blog? Curte ai Coisa Parecida no Facebook!

3 Comments

A alegria de participar de um grupo de consumo

Postado por Glenda DiMuro em June - 13 - 2013 1 Comment

glendadimuro-0513-6308Você ai sabe o que é um Grupo de Consumo? Um bando de gente que se reúne simplesmente para comprar ou uma seção de terapia para aquelas que compram demais? Nem uma coisa nem outra.

Sempre que conto para alguém no Brasil que faço parte de um Grupo de Consumo aqui em Sevilla logo vem a pergunta: o que é isso? Então antes de sair contando como é legal o meu grupo e como isso vem mudando a minha vidinha, fui pesquisar um pouco sobre o conceito de grupos de consumo que se utiliza no Brasil.

De cara percebi que eles recebem um adjetivo: responsável. Faz sentido. Para mim está implícito que é consumo responsável, mas sempre convém deixar os pingos nos «is» para evitar mal entendidos.

E o que é consumo responsável então? É um conceito tão amplo como a própria atividade de consumir. Basicamente é quando a gente começa a pensar um pouco mais além quando estende a mãozinha numa prateleira do supermercado ou quando nos atiramos numa liquidação. Em situações mais avançadas, é quando se pensa até em que supermercado ou loja se vai entrar. E no que pensamos? Em muitas coisas, algumas tão simples como: de onde vem o que estamos comprando? Como foi produzido? Precisamos mesmo comprar isso?

Ou seja, é a escolha de produtos e serviços não apenas pela sua qualidade e preço, mas também pelo impacto ambiental e social que geram na sua elaboração e pela conduta das empresas que lhes produzem. Muitas vezes reclamamos das injustiças sociais que acontecem neste mundo mundial, nos dá raiva a extinção das espécies e nos apavoramos com as mudanças climáticas e com o buraco na camada de ozônio (isso já ninguém fala mais, né?). Algumas dessas barbaridades são de conhecimento geral da nação com internet, como o uso de mão de obra quase escrava nos países orientais. Outras um pouco menos, como pode ser a extinção dos pequenos agricultores por conta de expansão dos monocultivos e dos transgênicos na Ásia ou América Latina.

Mas não nos damos conta (ou não queremos nos dar conta) de que nossas pautas de consumo podem contribuir (e muito) para piorar as crises pelo planeta a fora. Nosso consumo afeta tanto o nosso entorno social e ambiental mais próximo, quanto a vida que se encontra a quilômetros de distância. Ora pois, o consumo, um ato tão individual e que depende (ao menos deveria depender) unicamente das nossas escolhas…

Enfim, em resumidas contas, consumir responsavelmente inclui usar a inteligência digna da nossa espécie com polegar opositor para fazer compras éticas, ecológicas e solidarias. E um Grupo de Consumo é um grupo de gente que pensa parecido e se junta para, entre outras coisas, comprar juntos, pagar o preço justo, estreitar o contato com quem produz e aumentar os benefícios (os nossos, os deles e os da natureza).

glendadimuro-0513-6278

 

E aqui em Sevilla já existem já alguns de grupos de consumo espalhados pela cidade, organizados basicamente em torno à alimentação e a produção agroecológica. O nosso se chama Gazpacho Rojo e funciona desde 2009. Começamos comprando cestas de verduras de um agricultor da zona norte da cidade (7km do centro) e hoje já ampliamos a nossa rede de produtores.

Semana passada, participei das Jornadas do Meio Ambiente contando um pouco sobre como funcionamos e pensei em compartilhar por aqui. Mas como esta introdução ficou longa, depois eu volto para contar tintim por tintim sobre como conseguimos organizar 30 pessoas para comprar alimentos saudáveis, garantir a dignidade de quem planta e ainda não agredir tanto a natureza.

Aguardem…

 

Aproveita ai e curte o Coisa Parecida no Facebook!

1 Comment
Glenda Dimuro