bookmark bookmark  
Glenda DiMuro On December - 22 - 2010

No post passado eu falei que há alguns anos resolvi deixei certos “nojinhos” de lado, principalmente quando o que está em jogo é experimentar novos sabores. A questão é que agora eu não digo que não gosto de uma comida simplesmente porque não vou com a cara dela, eu pelo menos dou uma chance à novidade e provo para saber que gosto tem.

E foi assim, com essa nova filosofia de vida, que eu fui apresentada ao “moules frites”! Mas antes tenho que contar quando e quem me introduziu no maravilhoso mundo dos moluscos.

Nas últimas férias de verão fizemos um tour por algumas cidades da França. Lyon foi uma delas. É a terceira cidade mais povoada do país, mas mesmo assim não tem cara de grande metrópole: é linda e super charmosa. Saímos de Paris e em menos de 3 horinhas de trem chegamos por lá.

Mas não vim aqui falar de Lyon, porque para isto está a Mirelle que descreve muito bem como é viver no meio de tantos franceses. Mas vim falar da Mirelle, pois foi ela e seu marido Leo que me levaram para comer esta delícia.

Era tudo novidade! Primeira vez em Lyon, primeira janta com o casal (conhecia a Mirelle só no mundo virtual) e primeiros “moules frites” da vida. Juro que foi amor à primeira vista: a-do-rei! Para você, que como eu não tinha a menor ideia do que são “moules”, eu conto que são mexilhões! Quem diria, eu comendo mexilhões… e pedindo mais!

“Moules frites” é um prato bastante tradicional na França, e embora eu não seja uma experta em gastronomia francesa, parece ser bem simples de preparar. São mexilhões cozidos, algumas vezes acompanhados de algum molho (eu provei alguns, como de roquefort e outro com creme de leite e molho vermelho) e um prato de batata frita!

Não preciso nem dizer o que foi que comi durante todo o resto da viagem, né? Onde tinha “moules frites” estava eu lá, comendo. Comi até lamber os beiços, os dedos e dizer chega, mas antes eu repeti!

Fiquei orgulhosa de mim. Até minha mãe ficou orgulhosa de mim, viu que já virei gente grande e comecei a provar antes de fazer cara feia!

Mirelle, Leo, muito obrigada, de coração. Se não fosse por vocês naquela noite linda em Lyon, eu nunca teria tido a audácia de provar mexilhões com fritas. Valeu!!!

Categories: Europa, Turistando

12 comentários

  1. mirelle says:

    ai glenda, olhando as fotos me deu uma vontade de comer moules frites AGORA! mas não gosto de comê-los no inverno, sei la pq, mas prefiro no verão!

    eu tb fiz cara feia pro prato na primeira vez que fui à paris e não experimentei, mas ainda bem que deixei a frescura de lado e provei, hj tb sou apaixonada pela combinação! (o molho de tomates é o meu preferido). mas eu não sabia que vc tinha ficado tão apaixonada assim, nem que tinha comido mais no resto da viagem, bacan!!! sinal que posso levar meus outros convidados no mesmo restô quando vierem à lyon né? :d

    obrigada à vc e ao paulo, pela noite tão gostosa!

    beijos!

    • glenda.dimuro says:

      Sim! A primeira vez que eu repeti foi pra ver se eu tinha gostado mesmo…hahaha…e foi melhor ainda! É muito bom! Aqui em Sevilla eles não fazem igual, nem parecido….aquele molho de tomate é maravilhoso! O restaurante foi aprovado, pode levar quem também não tiver nojo! E qdo vocês vierem à Sevilla, vão comer caracoles e cabrillas…hohohoho…isso sim dá nojo, mas é bom! Aliás, quando virão, hein?

  2. Minha esposa nunca gostou de moluscos. Mas duvido muito que ela não coma pelo menos alguns da paella que pretendo comprar em Sevilha, huahuahuahua…
    Eu também já fui meio “enjoado” (como se diz aqui em Sorocaba) para alguns tipos de comida. Ainda hoje sou, pois só como berinjela frita e sem casca e não consigo misturar beterraba com arroz por causa daquela água púrpura que mancha tudo o que está por perto. Mas a maioria dos alimentos que não como atualmente é por questões nutricionais, ou seja, como mais alimentos que tragam benefícios à saúde, apesar de meus pontos fracos serem as lingüiças e os queijos.

  3. Juliana says:

    Valeu pela dica…rs Isso é que se chama “quebrar paradigmas com comida”. rs Boas Festas!

  4. Karol says:

    Eu não consigo perder as frescuras. Não como nada com aspecto feio nem com cheiro desagradável. Não comeria isso de jeito nenhum.
    BJ

  5. mirelle says:

    que povo bobo, não sabem o que estao perdendo!!!

    glenda, prometo que vamos, logo logo!

  6. karine smith says:

    Tô com ciúmes, das duas, mas da comida, não tô não! hahahah

  7. Mile says:

    Glenda, quem come caracóis nunca poderia ter feito cara feia pra mexilhao…tem coisa mais nojenta que um caracol??? No entando é uma delícia. Eu só sou um pouco “especial” tratando-se de carnes, essas carnes exóticas eu nao como nem que me paguem…carne de cachorro entao nem pensar!
    Bjoks…aproveita que no mercadona tem ofertas de bolsinhas de mexilhoes(compro sempre) e faz aí na tua casa, é só limpá-los e ferver ao vapor com um poquinho de vinho e quando tiverem abertos é só mandar ver com gotinhas de limao encima…me deu água na boca!!!

  8. luciana says:

    olhaih a coincidencia: tu morando na espanha e passando ferias em lyon e eu morando em lyon e passando as ferias na espanha. veio a calhar tua visita no meu blog, apesar de que sevilha vai ficar pra proxima…

    quando eu era adolescente, percebi que tinha alergia a frutos do mar (garganta fechava), por isso nunca fui muito fa dessas coisas, mas depois desse teu post, vou pensar com mais carinho em provar a iguaria. :X

  9. Raquel says:

    Oi! Li sobre esse prato no blog “13 anos depois”, e sabe que to querendo experimentar sim…rs Vou a Paris em Abril, abraços

    http://www.bomsensoemformadegente.blogspot.com

  10. Paulo says:

    Fiquei curioso para provar!! Viajo em julho, já anoitei a dica!!!

Leave a Reply to Juliana

Glenda Dimuro