bookmark bookmark  
Glenda DiMuro On January - 28 - 2011

Alguém ai já leu o livro “O Perfume” escrito pelo alemão Patrick Süskind? Ou viu o fime? Eu nem sabia da sua existência até visitar a cidade de Grasse, na França. Pois nem só de sol e mar se vive numa viagem à Côte d’Azur

Até onde sei a história do livro se passa na França do século XVIII e conta a vida de um cara que tinha o olfato super apurado, mas não possuia cheiro próprio (nem chulé, nem catinga, nem nada). Nasceu num cenário pra lá de nojento, atrás de uma banca de feira, no meio de tripas de peixe (eca!). Cresceu num orfanato e assustava o pessoal porque não fedia (gente, ele era francês). Resumindo, acaba indo morar em Grasse e sendo contratado como aprendiz de perfumista. Só que o personagem fica maluco (ou sempre foi, não sei) e mata várias mulheres em busca do perfume perfeito (ele “retirava” o olor delas de alguma forma, agora como, só lendo o livro). E parece que ele consegue. O livro acaba quando o assassino é descoberto em Paris. Ele se enche de perfume perfeito e acaba sendo devorado pelas mulheres que o reconheceram. Bizarro, não? Pois foi um dos livros mais vendidos da década de 80 na Alemanha.

E minha mãe, que também leu o livro, queria porque queria conhecer a tal cidade do perfumista. E lá fomos nós…

Grasse é uma cidade bem pequena, mas muito charmosa. É conhecida como a capital mundial do perfume, fato que atrai centenas de turistas. Lavanda, jasmim, rosa, flor de laranjeira, são todas flores plantadas na região e utilizadas especialmente para a fabricação de perfumes.

Em Grasse não estão apenas as matérias primas, ali também de fazem os concentrados que quando diluídos viram perfumes em diversas partes do mundo. Esta indústria um pouco artesanal vem perdendo espaço para os produtos químicos que imitam os olores, mas está conseguindo resistir.

Nós fomos à fábrica da Fragonard e fizemos uma visita guiada grátis, incluindo o museu. Mais ou menos deu para entender como é o processo de fabricação dos perfumes e a diferença entre uma Eau de Cologne e uma Eau de Parfum. Quando acaba a visitação, você pode experimentar os perfumes locais e comprar, claro. Os preços são bastante acessíveis, pois eles dizem que como não gastam dinheiro com publicidade e artistas famosos, podem vender mais barato.

A guia também contou que uma das poucas (e melhores) universidades que formam perfumistas se encontra em Grasse. Só que meu nivel de francês não “pegou” o nome… 

Valeu a visita. Mas prepare o nariz, pois não é fácil aguentar tanto cheiros (bons) misturados. Mas saí de lá mais perfumada e conhecendo mais sobre a arte da perfumaria.

Categories: Europa, Turistando

16 comentários

  1. Valéria says:

    Oi Glenda!
    Também fomos à Grasse e fizemos a famosa visitinha na Fragonard…ainda comprei uns perfuminhos.Os perfumes uma delícia e Grasse, uma graçinha!rsrs

  2. mirelle says:

    e afinal, qual é a diferença entre as “eaus”? rs

  3. Glenda DiMuro says:

    Ahh Mirelle, vc vai ter que ir até Grasse pra saber! :P

  4. Ursula says:

    Glenda, quem me indicou este livro foi minha professora particular de espanhol, qd morávamos no Chile. Ela era francesa. Li o livro e vi o filme. As cenas sao bem violentas e a história é apenas diferente. Nem boa, nem ruim. Qt à cidade, nem imaginava q era real…gostei! Só q alergica como eu sou, nem pensar! Bjs

  5. Ana Guedes says:

    Oi, amei seu blog que achei por acaso.
    Não sou formada em nada, apenas vivi e muito até esta data, estive várias vezes na Espanha a passeio, meu marido hoje aposentado era funcionário da Varig, por isto a facilidade das viagens pelo mundo.
    Não achei inutilidade nenhuma seu post, a curiosidade é sã e estimulante é ela que nos leva adiante.
    Farei a parti de hoje se você me permitir, visitas ao seu blog, quero participar e me inteirar do que continua acontecendo a minha volta.
    Um grande abraço,Ana.

  6. Rose Araujo says:

    Eu já li esse livro, mas não vi o filme!

    ;)

  7. Minha esposa trabalha como vendedora duma rede de cosméticos e certamente ela ficaria fascinada se um dia pudesse visitar essa cidade, pois lá ela aprimoraria seus conhecimentos na área da perfumaria para sugerir fragâncias personalizadas de acordo com os perfis de seus clientes. Pena que nem eu nem ela sabemos francês… :(

  8. Milena says:

    Grasse é uma cidade com muitas (e lindas!) histórias, e é lá que se encontra a melhor qualidade de rosas francesas (a centifolia, ou rosa de Grasse), usada por muitos perfumistas.
    Uma Eau de parfum vai ser mais concentrada em perfume, em torno de 15%. Uma eau de toilette vai ter entre 8 e 12% e uma eau de cologne vai ter bem menos, em torno de 6%, o que faz com que a eau de parfum deva ser usada com moderação (geralmente em ocasiões especiais).
    Eh incrivel que determinadas secreções corporais sejam perfumadas, como o musc (que vem do cabrito) e ambre (uma secreção intestinal de cachalote). Eu prefiro os perfumes de origem natural quando são de plantas, mas me recuso a usar perfumes naturais de origem animal!

  9. Deis says:

    finalmente vou conhecer essa cidade mágica no final do mes de junho, não vejo a hora!!

  10. Aline says:

    Olá,
    Vou a Grasse no mês que vem e gostaria de saber o que há de mais interessante além das “perfumeries”, pois não encontrei nos sites!
    Obrigada,
    Aline

  11. Renata Miranda says:

    Oi Glenda!

    ótimo depoimento!

    Achei esta uma otima opção para a minha próxima viagem! Amo perfumes, ja assisti ao filme sim (para saber um pouco mais sobre a origem das essencias) e gostaria muito de conhecer esse “cantinho” do mundo….

    Voce poderia nos dizer qual a forma mais facil de chegar até lá (todo o roteiro desde o Brazil)? Voce se hospedou em Grasse ou ficou hospeda em outra cidade da Riviera Francesa?
    Obrigada,
    Renata

Deixe o seu comentário

Glenda Dimuro