bookmark bookmark  
Glenda DiMuro On March - 25 - 2011

Mais uma semana o Blog Brasil com Z resolveu fazer uma postagem coletiva, dessa vez sobre novos hábitos. Cada expatriado e expatriada escreveu sobre rotinas e costumes que não tinham no Brasil e acabaram se adquirindo depois de deixar o país. Tem cada coisa! Passa lá no blog e confere! Aqui deixo o meu texto:

Alguns hábitos sevillanos muito fáceis de se acostumar

Considero-me bastante adaptada aos costumes espanhóis, andaluzes, sevilhanos (sim, porque igual como existem vários “Brasis” dentro do Brasil, por aqui existem diversas “Espanhas” dentro de uma mesma Espanha). Hábitos espanhóis que às vezes são muito parecidos aos de qualquer europeu, e às vezes nada.

A alguns costumes “europeus” eu já me acostumei sem piscar, como não depender do carro para coisa alguma e andar a pé, de transporte público ou de bicicleta para todos os lados. Outros eu me acostumei meio que a força, como o estilo “do it yourself” – desde fazer faxina, depilar, fazer unha até montar móveis – se não quiser pagar caríssimo por qualquer prestação de serviço.

Mas tem alguns hábitos espanhóis (ou andaluzes, como queiram) que eu vou levar comigo para onde for: café da manhã com tostadas + siesta + azeite de oliva (em tudo quanto é comida).

Tostadas: Café da manhã de sevilhano sem tostada não é café da manhã. Uma tostada e um café ou suco de laranja. Há variedades infinitas de tostadas (que não é nada mais nada menos que um pão torrado – mas não muito), mas a minha preferida é com jamón serrano, tomate e azeite.

Siesta: aquela dormidinha depois do almoço… Sagrada principalmente nos meses de verão.

Azeite de oliva: No Brasil azeite de oliva extra virgem é para saladas. Aqui é usado até para fritar ovo. Não vivo sem.

Outro hábito espanhol que foi difícil de me acostumar, mas que agora gosto muito, é o horário do almoço. No Brasil sempre achei as manhãs curtíssimas, principalmente porque não sou muito chegada em madrugar. Por aqui se almoça entre as 14 e 16:30 hs! Mesmo acordando às 10 da manhã ainda sobra bastante tempo para colocar a vida em dia. Muita gente trabalha direto só no turno da manhã e isso é ótimo, pois fica com a tarde todinha livre.

Dizem que os andaluzes são meio “vagarosos” (inclusive dizem que aqui é a Bahia espanhola!) e eu concordo um pouco. Essa lentidão irrita muito, mas confesso que pega… Mas quem já viveu aqui sabe do que eu estou falando, esse pessoal sabe o que é aproveitar a vida (trabalhar para viver e não viver para trabalhar, se é que você me entende). Então afinal, para que andar contra a corrente, não é mesmo?

Categories: Espanha, sevilla

8 comentários

  1. Um costume espanhol que logo notei – e que você adquiriu – é o cumprimento entre mulheres e pessoas do sexo oposto: dois beijos, um de cada lado do rosto. Não que aqui no Brasil não façam isso, mas é mais comum por aqui um beijo só.
    Quanto ao horário do almoço, até que me adaptei bem nos cinco dias em que estive na Espanha, pois costumo almoçar entre as 11:00 h e as 12:00 h (em janeiro, pelo horário espanhol, entre as 14:00 h e as 15:00 h). Embora a variedade de pratos seja razoável, lamentei a pouca variedade de sucos: pêssego, abacaxi, laranja, uva (o tal do “mosto”) e mais duas ou três frutas, no máximo. Nesse quesito, acho que o Brasil tem a maior variedade do mundo: além dos sabores tradicionais, temos também acerola, açaí, cajá, umbu, manga, graviola, cupuaçu, caju, maracujá, sirigüela, guabiroba, lichia…

    • Glenda DiMuro says:

      Paulo, você sabia que lá no Rio Grande do Sul o pessoal tem a estranha mania de dar 3 beijos! Isso mesmo, 3 beijos! Um exagero! Eu acho que dois são suficientes, e um (acompanhado de um abraço apertado) em que eu tenho mais intimidade. É verdade que aqui não tem tanta variedade de frutas. Laranja e laranja e um pouco mais de laranja. Outros acho que são todos de polpa. Isso é que dá não ser um país tropical!

  2. Fernanda says:

    Eu sou Baiana e sempre brinco com meus amigos que estou na Bahia da españa!..Quando penso num sevillano sempre me vem a cabeça uma cervejinha numa terrazita e um pescaito frito..rsss

  3. Le says:

    Ai, que delicia! Eu bem queria uma siesta por aqui, mas gringo eh um povo esquisito! Nao pode perder tempo, time is money!! Beijos

  4. Ernani says:

    Pra mim a siesta é a melhor. Sou fã e acho que deveria ser obrigatório…

  5. Branca says:

    Ai, acho que vai ter baiano se queimando por esse comentário, hihihi…. eles vivem reclamando da fama de preguiçosos que têm no Brasil. Mas como você mesma disse, não é preguiçoso, é vagaroso… e como baiano é lento pra fazer as coisas, Deus do céu (vivo em Salvador há quase 12 anos e, apesar de gostar, tem seus problemas!)

    Azeite de oliva, adoro!!

  6. Josane Mary says:

    Oi, Glenda, tudo certinho?
    Encontrei o seu blog no ‘Mundo Pequeno’ e vim fazer uma visitinha!
    MARAVILHOSO o seu post!
    Isso mesmo: pra que andar contra a correnteza!?
    Também sou expatriada; sai do Brasil em 2000, e desde 2003, moro na Holanda.
    O choque cultural existe e acaba sendo benéfico – de uma maneira ou de outra -. Sou da opinão que existem coisas boas e ruins em qualquer lugar do planeta! Nós é que temos que ressignificá-las à nossa moda!

    Será uma alegria se visitar o meu cantinho virtual, que é: http://josanemary.wordpress.com/mevrouw-jane/

    E que quera ler o prefácio do meu livro Mevoruw Jane; se gostar – ou não – por favor, deixe um comentário; vou adorar ler a sua opinião!

    Tenha um ótimo dia, nessa Espanha que conheço que gosto muito!
    Grande abraço.
    Josane Mary

  7. Camila says:

    Concordo com td, em genero, numero e grau!!! Sinal disso foram os kilos extras q ja ganhei aki… percebi q aqui se come muita fritura tbm… comia pouquissima fritura, e desde q cheguei aqui meu noivo me entope delas!!!

Deixe o seu comentário

Glenda Dimuro