bookmark bookmark  
Glenda DiMuro On April - 5 - 2011

papel higienico ecologia

Todo mundo que vai viver fora do Brasil acaba adquirindo novos hábitos, é normal.

Já vi muito expatriad@ contando que aqui pelos lados do “primeiro” mundo, não é costume ter aquela lixeirinha no banheiro, e que acabam se acostumando a jogar o papel higiênico (e alguns outras “cositas más”) direto pelo vaso. Se gabam de achar isso muito prático e limpo.

Claro, no primeiro mundo encanamento não entope, não é verdade?

Mas a questão do tal lixo do banheiro vai muito mais além de entupir ou não entupir o esgoto da sua casa ou apartamento.

Garanto que você não sabe que numa cidade de 100 mil habitantes se verte anualmente umas 3 toneladas de detergentes no vaso sanitário. As estatísticas dizem que é como se cada pessoa jogasse em um ano 10 caixas de preservativos, 12 absorventes e 10 rolos de papel higiênico no vaso. Depois é só dar a descarga e “adiós”, ninguém se preocupa com o destino das porcarias.

Se engana quem pensa que o papel higiênico é completamente inofensivo. Produtos celulósicos ainda que tenham maior chance de entupir o esgoto próximo de você, também podem acabar causando problemas aos filtros das depuradoras municipais (quando existem, porque na maioria das cidades do Brasil o esgoto vai é pra mares e rios mesmo).

Cabelo, água sanitária, produtos de limpeza, fraldas, tudo isso dificulta sim o processo de tratamento das águas residuais e ainda podem matar as bactérias que contribuem a decompor os resíduos nas depuradoras. Se fosse só xixi e cocô (melhor ainda se tivéssemos uma rede de esgoto para cada uma das nossas necessidades) a contaminação das águas do nosso planetinha seria infinitamente menor.

Muita gente acha que continuar jogando papel no lixinho é trocar seis por meia dúzia, já que o lixo de todas as formas vai acabar indo para um lixão qualquer. Eu particularmente acho que pelo menos o lixo do banheiro vai para num lugar, digamos, adequado. E se vamos poluir, que poluamos menos coisas… Quando menos porcarias jogarmos nas águas, mais fácil será a seu tratamento e contaminaremos menos os oceanos.

Neste caso vou contra as regras das zoropas… Na minha casa sim existe uma lixeira no banheiro, imprescindível. Nem todas as atitudes que se presenciam no primeiro mundo são dignas de um mundo de primeira, verdade?

Fica ai a dica.

Categories: Cotidiano, Espanha, Europa

21 comentários

  1. mirelle says:

    Nossa Glenda, aqui na França é diferente. Jogar o papel na privada foi a primeira coisa que o Léo me ensinou quando cheguei aqui. No meu banheiro tb tem lixinho mas so para absorventes e rolos do papel higienico que acaba, o papel que a gente usa vai direto pro vaso. Aqui na França o tratamento deve ser diferente, pq existem até campanhas pedindo a galera pra jogar na privada e não no lixo. ainda bem, pq eu adorei a ideia e acho muito mais higiênico do que deixar aquele papel sujo ali na lixeirinha. Pra vc ter uma ideia, os banheiros de aeroportos, faculdades e publicos nem têm lixeirinhas, pra deixar bem claro que o papel deve ir direto pra privada.

    bjo!

    • Glenda DiMuro says:

      SIm Mirelle, aqui também é assim. Mas a maioria dos ecologistas acham que se gasta mais recuperando uma água contaminada com a celulose dos papéis (as depuradores precisam ser bem mais “potentes”) que se eles fosse jogados nos aterros sanitários. Eu também acho… quando menos porcaria a gente jogar na água, mais fácil será seu tratamento e em melhores condições ela será despejada no mar.

  2. Elisa says:

    Acho super pertinente teu texto! Hoje, no banheiro, eu pensava sobre isso. Pois tentei explciar a minha companheira de piso austríaco que achava “fatal” que colocássemos o papel no vaso e ela me disse que no lixinho era anti-higiênico e causava doenças. Como ela mora no piso há mais tempo do que eu, fui voto vencido… E pensava sobre isso hoje. Infelizmente as pessoas fazem isso sim! Tem até um anuncio de um papel higiênico que o rolo é biodegradável e se desmancha no vaso! É como se vendessem a idéia: livre-se de tudo, e depois… foda-se! Essa é a sensação que eu tenho.

  3. LUIZ PETER says:

    melhor é abolir o papel higiênico e à cada necessidade usar uma duchinha básica – essa sim é a solução, principalmente prá que tem hemorróidas (a aguinha gelada faz um bem, já que provoca vaso-constrição)…hahaha à propósito, entre muitas outras coisas, podemos encontrar nas secreções humanas: vírus, bactérias, fungos, protozoários, helmintos, etc.etc.etc. tudo aquilo que ingerimos será mais tarde expelido (suor,saliva,fezes,urina)-metais pesados não. fico imaginando a quantidade de medicamentos,p.ex., que deve ir pro lençol freático. acredito que é crucial o tratamento (limpeza industrial) dos dejetos humanos visando seus reaproveitamentos – na natureza nada se cria,nada se perde, tudo se transforma (LAVOISIER-LEI DA CONSERVAÇÃO DA MATÉRIA). sugestão: dá uma pesquisada nisso e vê se é possível mudar o mundo… hahaha

  4. Glenda

    Passei uma temporada em Toronto e lá o papel também vai pro vaso – como no caso da França, segundo dito pela Mirelle – nem tem lixo no banheiro de: escolas, restaurantes e aeroportos. O interessante é que na minha homestay tinha lixo, e ela – mesmo sendo canadense – fazia questão que o papel não fosse depositado no vaso.

    Voltei ao Brasil e discuti essa questão com alguns amigos, mais o ponto em que chegamos é extamente o mesmo do texto, ou seja, não basta “apenas” jogar o papel no vaso ou no lixo. É preciso saber para onde vai e o que vai ser feito com esse residuo, claro que o destino e o tratamento adotado vai mudar de lugar para lugar. Cada governo “deveria” saber qual o melhor tratamento para seu lixo, infelizmente não é o que acontece.

    A meu ver, as duas opções são poluentes (é o mesmo paradoxo do copo plastico – derivado do petroleo, porém reciclável – e o copo de vidro – que precisa ser higienizado com sabão, que quando não é biodegradável polui os lençois, rios e mares). Conhecimento e conscientização são as chaves para qualquer questão ambiental.

    Bjo!

  5. mirelle says:

    Então Glenda, ai é que ta a diferença, pelo que eu ja ouvi dizer por aqui, o tratamento desse tipo de lixo na frança é mais eficaz quando passa pelo esgoto do que quando é recolhido. a começar pela reciclagem mesmo, a frança nao recicla quase material nenhum e so pegam aqueles que nos deixamos super limpos antes de jogar fora. por tudo o que ja me explicaram, eles insistem muito que o pessoal jogue o papel na privada justamente pq o tratamento do esgoto aqui é bem mais eficaz que outros. nao adianta nada nao jogar o papel na privada e deixar no lixo se o pais nao vai tratar direito esse lixo né? se for pra jogar em aterros e contaminar o solo, vai acabar atrapalhando a natureza do mesmo jeito. mas enfim, acho que os paises detêm de tecnologias diferentes mesmo para o tratamento do lixo e cada um funciona de um jeito. bjo!

  6. Milena says:

    Adorei o texto! Não consigo me acostumar de jeito nenhum com essa mania aqui na França de jogar o papel no vaso! Para começar, sempre que tento, aqui em casa entope (e no antigo apartamento tb!!!) No antigo apartamento tb tivemos um problema de encanamento de esgoto que vinha do andar de cima, imagina o cheiro, pois vinha tudo dos esgotos… Quando a empresa veio (2 dias depois, durante esse tempo a gente estava sem água e sem poder utilizar o banheiro), eles disseram que tinha quilos e quilos de celulose entupindo os encanamentos!!!
    Mas meu marido “jura” que o sistema francês é perfeito, que são bactérias (naturais) que “comem” o papel, e que não existe nada de mais ecologico… Será?

    • Glenda DiMuro says:

      Olha Milena, eu não sou experta e nem coisa alguma relacionada com as ciências ambientais, mas o que eu sei é que todos os produtos químicos utilizados para produzir um papel higiênico (quanto mais branquinho pior) dificultam sim v dia das bactérias que “comem” os papéis nas depuradoras. O que os países aqui da Europa fazem (pq não é só a França que tem esse (mal) constume) é tentar turbinar as suas estações de tratamento… isso é ecológico? Como eu digo e repito, para mim já bastam os lixões… lixo de banheiro não é reciclável, vai para aterro sanitário. Se a França não tem aterro sanitário? Duvido… mas com certeza manda muito do seu lixo para os países empobrecidos, como faz a maioria dos países ricos. Enfim, para mim não adianta dizer que tem o melhor sistema de depuradoras do mundo mundial, eu seguirei jogando o lixo no lixo (e definitivamente água eu não considero lixo).

  7. Eu faço o seguinte: todo o lixo do banheiro eu coloco num cesto revestido com sacola de supermercado, a qual, quando cheia, tem o mesmo destino das demais sacolas usadas para lixo: o contêiner. Aí a empresa contratada pela Prefeitura de Sorocaba/SP para fazer a coleta deposita o conteúdo de cada contêiner para dentro do caminhão e todo o lixo da cidade vai para um aterro sanitário… que já está com sua capacidade esgotada faz tempo. Quanto ao papel higiênico, eu quase não o uso, pois procuro defecar pouco antes de tomar banho.
    Durante minha permanência na Espanha, percebi pouca diferença, até porque o hotel onde nos hospedamos recebia muitos turistas estrangeiros. Logo, o lixo ia para o baldinho do banheiro. A única coisa que me surpreendeu muito foi o fato da água do banheiro ser potável (havia até dois copos sobre o lavatório). Isso sem falar de algo que eu descobrira ao assistir um desenho dos Simpsons: no Hemisfério Norte, quando se aperta/puxa a descarga, a água gira no sentido anti-horário. Ao contrário do Hemisfério Sul, onde a água, durante a descarga, gira no sentido horário.

  8. Eu Gênio says:

    Bom, não sei se alguém já disse isso em algum comentário anterior, mas joga-se papel, absorvente entre outros produtos do gênero em vasos sanitários, fora do Brasil, pois estes produtos são biodegradáveis, isto é, as bactérias que degrdam matéria orgânica nos esgotos, também são capazes de degradá-los.
    No Brasil, isto não ocorre, pois os nossos produtos não são biodegradáveis.
    Porém, sou absulutamente contra esta prática, pois não se sabe até que ponto tais produtos biodegradáveis são de fato degradados, pois pode-se formar algum subproduto na degradação, que, em alguns casos pode ser mais letal que o próprio produto em si. Fato observado no caso das sacolas de plástico oxibiodegradáveis, que têm formação de subprodutos de degradação muito mais poluentes que o próprio plástico.
    Estes são meus pontos de vista, ainda sou adepto do lixo, pois, além de nã poluir nossas água, e complicar os tratamentos de esgoto, o solo possui muito mas bactérias degradantes de matéria orgânica do que as águas.

  9. Juliana Takagi says:

    Morei 9 anos no Japão e lá os papeis higiênicos dissolvem na água quase que completamente e é muito comum o uso da ducha,já que os vasos sanitários são de última geração.Absorventes e fraldas são completamente proibidos de serem jogados em vaso sanitário,somente pra isso existe um lixinho bem pequeno nos banheiros.Eu sou a favor de jogar o papel higiênico no vaso desde que seja dessa forma.

  10. Fabinho says:

    vou tentar explicar isso pro brother que mora cmigu, porque quse todo dia tenho q desentopir a porra da privada.!

  11. Vdinei says:

    A muito mais agua do que terra, entao vo continuar jogando no vaso!!!

  12. Juquinha says:

    É muito pratico jogar o papel na privada. Recolher lixo de banheiro é uma desgraça

  13. Linda says:

    Glenda DiMuro tá coberta de razão qdo diz: “Nem todas as atitudes que se presenciam no primeiro mundo são dignas de um mundo de primeira”.

  14. carlos says:

    sempre faço isso, jogo o papél usado no vaso e oriento a família para nunca jogar outras coisa no vaso.
    tenho também instalado nos banheiros da minha casa o exaustor ZARA, para cada vaso.
    por retirar também todos odores direto do vaso sanitário sem deixar que se espalhem pelo ambiente este aparelho me traz tambem , muito mais conforto , evitando muito constrangimento. visite link e deixe sua opinião sobre o exaustor para vaso sanitário.

    http://www.youtube.com/watch?v=-96JOxKmmuc

    att. CARLOS

  15. Vagner says:

    Nossa, gente caipira e fogo mesmo, o paises que tem o costume de jogar o papel no vaso sanitario, são bem estruturados para tal coisa, dão prioridadepara a higiene e a reciclagem, pois papel higienico não e reciclavel, e se não for jogado no vaso o seu destino seria, aterros sanitarios (onde por ex aqui no Japão não tem espaço para isso por ser um pais pequeno) ou encineradores onde seriam queimados e estariam prejudicando mais ainda o meio ambiente, e os papeis daqui são totalmente biodegradáveis, onde uma gota de agua ja derrete o papel, tornando bem facil o tratamento da água.Nem Jesus agradou a todos, por melhor que se faça sempre vsi existir alguem descontente com algo!

  16. ubirajara says:

    concordo com o comentario de Vagner
    e sempre defenderei a ideia de se jogar
    o papel higienicono no vaso sanitario
    quem não tem tubulações apropriadas
    que coloque, um abraço God bless you.

  17. wellington says:

    A questão da água é o menor problema, existem várias maneiras de termos água potável e barata, querem alguns exemplos? O melhor atualmente utilizado é a máquina de fabricar água do ar (vapor de água), pois naturalmente o sistema se encarrega de repor a quantidade de vapor, uma máquina que produz em torno de 10 litros dia custa quase 2 mil reais (procurem na internet), se quiserem também podem imitar a natureza esquentando água com uso dos raios do sol, por exemplo através do fogão solar (pesquisem na internet), de forma que a vaporização ocorra de forma rápida e com baixo custo, coloca-se uma lãmina de vidro e em seguida já teremos água pura.

  18. Eliana Menezes says:

    eu so acho que jogar papel higienico usado na lixeirinha do banheiro, é esta guardando fezes. achom isso anti higienico, o correto é jogar no vaso. se no Brasil o tratamento de esgotos deixa a desejar em relação a paises da europa paciencia. infelizmente não é so nesse setor que o nosso pais não leva a sério, deixa a desejar em tudo infelizmente.

Deixe o seu comentário

Glenda Dimuro