bookmark bookmark  
Glenda DiMuro On April - 22 - 2011

A Semana Santa de Sevilla literalmente foi por agua abaixo este ano. A chuva destroçou uma das festas mais tradicionais – se não a mais tradicional – da cidade.

Os sevilhanos vivem a Semana Santa de uma maneira bastante peculiar. É realmente muito complicado explicar esta festa em palavras (uma vez tentei aqui, mas não fui suficientemente crítica). A Semana Santa é algo que merece ser vivido em primeira pessoa e logo, que cada um tire as suas próprias conclusões.

Se eu tivesse que comparar com algo, seria com o carnaval do Rio de Janeiro. Porque na Semana Santa de Sevilla tem escolas de samba (as confrarias irmandades de cada igreja), tem desfile (as procissões), tem carros alegóricos (onde estão as Virgens e os Cristos), tem comissão de frente (aqueles que levam o estandarte de cada irmandade), tem bateria (a maioria das procissões são acompanhadas por uma bandinha com cornetas), tem até sambódromo (todas as procissões são obrigadas a fazer uma “carreira oficial”, que inclui uma estação de penitencia da Catedral) e arquibancada (neste caso cadeiras caríssimas para a elite da sociedade sevilhana). Qualquer semelhança é mera coincidência…

Podem me queimar na fogueira, mas ouso afirmar que a Semana Santa de Sevilha de religiosa tem muito pouco. Se metade da quantidade de pessoas que lotam as ruas da cidade, dizendo-se católicos – numa espécie de transe religioso – frequentasse pelo menos algum outro dia às igrejas, faltariam bancos nas missas de domingo. É uma tradição católica que grande parte dos sevilhanos (não todos, já que no final das contas também está cheio de gente que detesta carnaval, não?) revive uma vez por ano.

A Semana Santa é tempo de pagar promessas, de vestir as melhores roupas e de “presumir” (adoro como esse verbo soa em castelhano, significa algo como “aparentar”) e claro, de tomar aquela(s) cervejinha(s), mas também de ganhar dinheiro com turismo. São quase 60 irmandades que desde o Domingo de Ramos até o Sábado Santo transformam a rotina da cidade, inundando as ruas de “nazarenos” e espectadores, numa espécie de teatro coletivo com direito a choro e ataque histérico, principalmente se por culpa do mau tempo a procissão decidir não percorrer às ruas da cidade.

E foi o que aconteceu este ano. No meu tempo, católico que era católico aceitava as decisões de Deus. E neste caso de São Pedro, que deixou triste a madrugada mais longa da cidade (Madrugá, quando as procissões ocorrem durante toda a madrugada até a uma da tarde do dia seguinte). Em 78 anos, esta foi a primeira vez que nenhuma das confrarias saiu.

Você pode estar se preguntando: mas se é para pagar penitencia, com chuva é até melhor, não é mesmo? Ou esse pessoal é todo de açúcar? O grande problema é que a maioria das estátuas são relíquias, alguma de ouro (daquele ouro que a gente sabe bem de onde veio), de madeira, com mantos bordados por artistas famosos… e claro, ninguém sai por ai com obras de arte em dia de chuva. Neste caso, eu apoio a decisão. Mas na minha humilde opinião do contra, acho que as irmandades deveriam sim seguir a procissão, fazer a carreira oficial, chegar à Catedral e explicar os motivos do porque a Santa e o Cristo não apareceram este ano. Mas claro, o que eu penso não importa lhufas, e segundo dizem os sevilhanos, tradição é tradição.

Choveu ontem, chove hoje e a previsão é de que amanhã continue chovendo. Sempre fico meio mal humorada durante a SS porque transtorna a vida daqueles que não seguem as tais tradições (ou não têm dinheiro para viajar para bem longe). É rua cortada, é mudança no trajeto do ônibus, é falta de estacionamento, e pior, é sevilhano te olhando de canto de olho caso você esteja “mal vestido”, de tênis ou de bicicleta (devem pensar no alto dos seus saltos, vestidos de festa, ternos e gravatas: afe, turistas pagãos).

Enfim, apesar de tudo, digo e repito que a Semana Santa é algo digno de se ver. Criticando ou não é um espetáculo ímpar. Uma pena que neste ano os céus não tenham ajudado.

Categories: sevilla

11 comentários

  1. Mile says:

    Vc descreveu a SS exatamente como eu a descreveria.
    Estou DESEJANDO que esta semana acabe JA!
    E falando em gente mal vestida, menina na primeira vez que saí na rua pra ver a semana santa(há 7 anos) eu fui de calça jeans e tênis. Juro, me senti observada por um monte de gente e nao entendia o porquê, só depois fui descobrir que temos que sair de casa com roupa de “gala”. Eu vejo a SS mais cheia de ostentaçao que religiao, devoçao ou sei lá mais o que. Sem contar a quantidade de gente que se droga debaixo dos “pasos”…isso é fato!

  2. Bianca says:

    Oi, Glenda!

    Tudo bem! Agora que vi a mudança no blog e achei bem legal! 🙂

    Escuta, dei uma passadinha para te contar que nossa cidadania saiu. Acho que você também estava no processo, não?

    Quanto à Semana Santa, sempre acho muito esquisito essas procissões da “ku klux klan”… heheheh… e realmente é um transtorno. A melhor parte é o feriado!

    Besitos

    • Glenda DiMuro says:

      Oi Bianca! Que maravilha! Não, eu faço parte dos “desgraciados”…hahaha… meu visto é de estudante e só depois de 10 ANOS posso solicitar a cidadania… Ainda falta e nem sei se chegarei! 🙂

  3. André says:

    Por estes pagos daqui o que sinto mais falta na semana santa é o acampamento no forte…

  4. Tatiana says:

    Oi Glenda, adorei a maneira que voce explicou a comemoração da Semana Santa aí,para os que nao moram em Sevilha, foi super interessante ler o seu post. Fiquei super curiosa e nao queria parar de ler!
    Da pena ver uma festa que deve ter dado tanto trabalho para ser realizada sendo cancelada. Mas certas coisas nao temos controle,ne?
    Bjs.

  5. mirelle says:

    Eu tb achei interessantissima essa historia toda. Acho legal festas que mudam a rotina da cidade uma vez no ano. So discordo de uma coisa, ser catolico não esta diretamente ligado com ir à Igreja, sou super catolica e nunca vou. (tenho muitas criticas à religião, mas principalmente contra a instituição da Igreja em si, sabe? então acho melhor rezar em casa).
    bj!

    • Glenda DiMuro says:

      Pois é, Mirelle… então eu diria que você é Cristã! Ou outra coisa, mas católico são aqueles que seguem a religião católica e todas as suas leis, doutrinas e mandamentos… um deles, é frequentar a Igreja a cada domingo e COMUNGAR. Fazia parte de um grupo jovem e já estive bastante relacionada com a Igreja Católica, por isso penso assim… Quem acredita em Deus e em Jesus, tem fé, mas não frequenta a Igreja (que é onde em teoria a comunidade se forma) não é católico (bom, pelo menos não é considerado pelos católicos como católicos!). Um dia li um livro que comentava que a igreja católica é uma das mais individualistas que existe, onde os fiéis se preocupam mais em rezar por suas próprias vidas que actuam para o bem da vida em socidade, entre outras coisas. Hahaha….olha eu ODEIO descutir religião. Discuto política, futebol e o que for, mas religião eu sempre considerei uma coisa chata e injusta de discutir. Cada um que decida o que é e o que segue, louvando a quantos deuses achar melhor, desde que isso signifique algo de bom na sua vida. Com certeza as pessoas que acreiditam em alguma coisa superior afrontam com mais facilidade os problemas da vida. Beijos!

  6. Talvez Deus tenha permitido tanta chuva em Sevilha para que o povo percebesse o motivo dessa comemoração e o quanto tudo o que fazem anualmente na Semana Santa é inútil em comparação ao que realmente representa a morte e a ressurreição de Cristo. Bem, quem quiser saber mais sobre minha opinião a respeito dessa festa é só ler meu comentário no outro artigo acessível pelo link logo no início desta publicação.
    O culto ontem à noite na igreja à qual eu pertenço foi muito lindo e resumiu bem o que é a verdadeira Páscoa cristã, o que significa o sacrifício de Jesus em favor da humanidade. Logo no começo foi exibido um vídeo que ilustra bem isso, espero que goste: http://www.youtube.com/watch?v=Sunyb4B-OCU .
    Fiquem com Deus e não se esqueçam: quando puderem voltar ao Brasil, aproveitem para conhecerem alguns locais de nosso país que vocês ainda não conhecem.

  7. Oi Glenda!!!
    Acabei de escrever no meu blog sobre a Semana Santa, e o post ficou foi bem parecido com o seu! haha E tem como não se sentir no carnaval?! Bom, já que a gnt não teve essa festa, pelo menos rolou o emendão da Semana Santa. Também concordei com o aspecto religioso, suo católica de verdade, vou a igreja e tudo mais, e, mesmo podendo criticar e muito as manifestações de fé no Brasil, acho que lá pelo menos são um pouco mais honestas.. as procissões que eu vi, das poucas que saíram, não eram nada mais que uma exibição dessas obras de arte aí que vc citou.
    Mas, como tbm não dá pra fazer só críticas, concordo tbm que é um espetáculo lindo e q tem mt a ver com a cultura deles aqui – pro bem ou pro mal, e que só vendo pra entender!

    Beijos!!

  8. Beth says:

    Menina, pois aqui na Holanda fez MUITO sol na semana santa, eu mesma fui domingo e segunda à praia (Scheveningen) com namorado e filho.

    Parece até mentira mas não é não…rsrsrs

Deixe o seu comentário

Glenda Dimuro