bookmark bookmark  
Glenda DiMuro On November - 4 - 2011

A coisa anda negra pro meu lado. Estou começando a achar que alguma bruxa, agora que Halloween é celebrado até pelos esquimós, decidiu aproveitar a maré e pairar sobre a minha casa.

Em uma semana já me aconteceu de tudo: meu computador deu os doces, me queimei no forno, tenho um corte na boca que não cura, o atendimento da loja que comprei o micro não me atende (comprei pela web com um prazo de entrega de 24-48 horas e nem preciso dizer que já se passaram 96 e nada do dito cujo), e para finalizar (isso espero!) com chave de ouro, ontem dei com a cara num poste.

Uma amiga me perguntou se era no sentido figurado ou literal. Eu li-te-ral-men-te dei com a cara no poste. Assim, vinha caminhando rápido (quase correndo, dentro do que se pode chamar de corridinha básica para faturar um rango bom do meu maridinho) e plaft. Lá estava o poste de metal no meu caminho.

O primeiro pensamento, claro, foi pqp, que vergonha! Não acredito que dei com a cara no poste! Mas isso durou 1 segundo, pois a dor era tanta que eu cheguei a tontear. Não estou exagerando, o pessoal que estava passando veio perguntar se eu estava bem… uma menina muito amável quis me acompanhar até o bar mais próximo para colocar gelo, mas como estava bem perto de casa, dispensei a boa vontade

Passos rápidos me guiaram até minha porta. Queria deixar para trás qualquer testemunha da minha bocabertice.

Depois de muito gelo, hoje amanheci de olho roxo. Agora estou com vergonha de sair de casa porque parece que levei um soco. E agora o dilema: não quero que ninguém fique pensando que apanho do meu marido. No inicio do ano eu cai de bicicleta (agora você está pensando que eu sou a pessoa mais desastrada do mundo, pois acertou em partes, eu apenas não tenho noção de espaço), fiquei com um roxão enorme no braço e todo mundo ficava me olhando como se eu tivesse apanhado. Foi um saco, dizer que não, tenho um bom marido em casa e isso foi uma “simples” caída de bike. Então todo mundo me olhava com cara de quem estava pensando “ah, então estava bebum!”. Ou seja, ou sou esposa de um maltratador ou bêbada.

Base, minha gente. Muita maquiagem é o que vou precisar nos próximos dias. Um pouco de bons fluidos também não me vem mal. E que essa bruxa que anda solta volte pro lugar de onde nunca deveria ter saido!

Contagem regresiva para ver mamãe que chega na próxima semana!
 
* Atualizando: depois que escrevi o post roubaram minha bici!!!!
Categories: Cotidiano

10 comentários

  1. Eve says:

    Vc está perto do seu aniversário? Pq isso tb pode ser inferno astral, viu?

    Bjs!

  2. Seu episódio lembra uma vez (mais ou menos em 1993, ou seja, há 18 anos) em que desci correndo do ônibus em direção a uma igreja no bairro sorocabano da Parada do Alto e arremessei minha testa em direção a um orelhão de concreto. Sim, você não leu errado: pouco antes da Telefónica comprar a Telesp, Sorocaba já chegou a ter orelhões de concreto. Cheguei à igreja que eu visitava com um galo gigantesco na testa, que também sangrava. Após um pouco de mercuriocromo, com um ferimento bizarro pouco acima da sobrancelha esquerda, assisti o culto e não precisei nem ir ao hospital… Mas que doeu (e muito), isso doeu. Isso sem falar nos pontos que tenho no couro cabeludo, herdados de duas batidas feias que levei quando criança.

  3. Luiz Peter says:

    hahaha aproveita essa onda e aposta numa loteria que tenha a centena 532 ou o milhar 1142 – vais ganhar e tudo isso passará…

  4. Fernando says:

    Glenda eu ri, me vi no seu lugar, se houver alguém mais desastrado q eu, juro que ñ fico perto é até perigoso hahaha, sua topada com o poste sei bem como dói, na época do colégio dei de testa com o mastro de hastear a bandeira, na hora do intervalo, todos os alunos no patio da escola, que vergonha e que dor ficou um galo, por mim eu desaparecia. O ultimo foi hoje, no trabalho havia deixado uma maquina ligada, fui andar rápido, quase correndo, tropecei nos meus pés e cai, bem de leve igual em piso congelado e fui deslizando e adivinha, novamente com platéia, aí todos olham com aquela cara, e perguntam, machucou, tudo bem? Por sorte o piso estava bem limpo senão a vergonha ia ser dobrada o tombo e a sujeira. Não sei com você, mas quanto mais cuidado tomo, mais acidentes como esses me acontecem, que seu hematoma suma logo, abraço.

  5. antonia says:

    Oi Glenda nao vou dizer que isso tambem passou comigo, claro que se passou nao confesso nem sobre tortura.
    Mas claro posso te aconselhar um banho de limpeza que sim vai acabar com isso, olha nem precisa acreditar so fazer.
    Voce pe romero tres galhos, se nao tiver fresco, compra de potinho no mercado no setor de ervas e tempero tem romero seco.
    Pois poe a ferver com dois litros de agua, se for seco duas colheres de sopa, quando tomar cor, voce tapa a panela e deixa a agua amornar, leva pro banheiro depois de coado, depois da ducha o banho, voce joga o cha da cabeça pra baixo, voce vai ver que otimo muda as coisas no momento.
    Voce deve de ter ido a algum lugar que tinha alguma mala
    energia que se pegou em voce, e fica assim mais ou menos uns tres meses se voce nao fizer nada nada. Dado
    a seu historial de acidentes voce deve ter muita facilidade de pegar essas energias, alias nao è macumba, è fisica, entao eu te aconselho esse banho uma vez por semana ou pelo menos quando voce for a lugares que nao conhece.
    Voce vive em uma cidade muito antiga onde aconteceu muita coisa e essas energias ficam plasmadas nos espaços.Sorte um beijo Glenda.

    • Glenda DiMuro says:

      Obrigada Antonia! Já tinha pensado em tomar um banho de sal grosso! Mas é verdade, eu acredito nessas energias do universo… e é por isso mesmo que já nem quero mais falar sobre esse assunto. Parece que cada vez que falo, vem mais coisa! Tenho que esvaziar minha mente e só pensar em coisas boas, cheirosas e azuis! 🙂 Um beijo grande!

  6. Fabio says:

    Eu também tinha pensado em “inferno astral”, dizem que é o periodo de um mês antes do aniversário.
    Xô uruca!
    Abraços.

  7. Milena F. says:

    Um banho de sal grosso pode ajudar!!!
    Espero que essa maré de azar passe logo…

  8. Rir dos problemas alheios não tá certo, mas a da cara no poste e depois ainda vem o P.s: atualizando com a bicicleta… Sal grosso!!! Rezar bastante e pensamento positivo!!!

    Beijos

Deixe o seu comentário

Glenda Dimuro